Rapidinhas Política - Quinta 28/02/2019 - G7 Salgueiro

Anuncio No Post

Anuncio Aqui

Rapidinhas Política - Quinta 28/02/2019

Compartilhar

À mesa com Bruno Araújo>  Miguel Coelho já teve conversas com o presidente estadual do PSDB, Bruno Araújo, sobre eventual migração para o tucanato. Os dois conversaram, em Brasília, na ocasião da posse. Mas vão à mesa novamente. Já agendaram. Caso Bruno seja eleito presidente nacional do tucanato, como está previsto, nada impede que Miguel comande a sigla em Pernambuco.

Recado > Miguel considera que "alguns partidos precisam se reestruturar". Observa o seguinte: "Não só por Bruno vir a assumir a nacional, mas o PSDB recebeu recado muito forte nas eleições do ano passado. E acho que precisa de uma reflexão". 

Herança > Durante o Roda Viva da última terça-feira, o prefeito de Jaboatão, Anderson Ferreira, elevou o tom no discurso de oposição. Disse que o Governo do Estado não ajuda o município em nada e que se decepcionou com os “herdeiros da realeza” em referência a Paulo Câmara e a Geraldo Julio. 

Munição 1> Danilo Cabral cobrou, do ministro da Educação, posicionamento sobre o financiamento da área no Brasil. O assunto não foi abordado por Ricardo Vélez em audiência pública no Senado e, para o deputado, é o debate central da Educação. 

Munição 2 > Quando Danilo terminou sua intervenção, o senador Dário Berger, presidente da Comissão de Educação na Casa Alta, sapecou: o parlamentar "disparou uma metralhadora aqui".

Cinzas 1 > A recomendação do TCE e do Ministério Público de Contas foi expedida no último dia 19. O conselheiro Carlos Porto, através dela, proibira que o prefeito de Camaragibe, Demóstenes Meira, pagasse as contas do Carnaval de 2019. Ontem, em nota oficial, a prefeitura acatou o recomendado. 

Cinzas 2 > Segundo informações do TCE, existia previsão de gasto de mais de R$ 700 mil com a folia de Momo. O texto, divulgado ontem, diz o seguinte: "A Prefeitura e a Fundação de Cultura acatam a recomendação do TCE-PE e comunicam o cancelamento do Carnaval 2019 de Camaragibe". O TCE argumentou não haver lei orçamentária aprovada que justificasse os gastos. Por Renata Bezerra de Melo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários

Anuncio No Post

Anuncio Aqui!