Saiba quem são os 22 ministros do gabinete de Jair Bolsonaro


Após tomar posse nesta terça-feira como presidente, Jair Bolsonaro juramentou em um ato conjunto os 22 membros de seu gabinete, entre os quais se destacam cinco membros das Forças Armadas e apenas duas mulheres.

Além dos militares, como o próprio Bolsonaro e o vice-presidente, o general da reserva Hamilton Mourão, no gabinete há uma pastora evangélica, um juiz reconhecido pelo seu combate contra a corrupção e um economista da Escola de Chicago que terá poderes especiais para comandar a economia.

Os 22 membros do gabinete de Bolsonaro são os seguintes:.

.

- Onyx Lorenzoni (Casa Civil).

Deputado do DEM, ocupava uma cadeira na Câmara desde 2003 e é reconhecido como um fervoroso anticomunista. Será uma espécie de articulador político do governo em um cargo que controla todas as molas do gabinete.

- Gustavo Bebianno (Secretaria-Geral da Presidência).

Advogado e presidente do PSL, partido pelo qual Bolsonaro foi candidato a presidente. Será um dos homens mais próximos ao novo governante.

- General Carlos Alberto dos Santos Cruz (Secretaria de Governo).

Participou de missões de paz no Haiti e no Congo. Também foi secretário de Segurança Pública no Ministério da Justiça durante o governo de Michel Temer.

- General Augusto Heleno Ribeiro (Gabinete de Segurança Institucional).

Na reserva desde 2011, comandou a missão de paz da ONU no Haiti e foi comandante militar da Amazônia.

- Ernesto Araújo (Relações Exteriores).

Diplomata de carreira. Desde 2016 dirigiu o Departamento de Assuntos Interamericanos do Itamaraty e se diz admirador de Donald Trump, adversário do globalismo e do marxismo e anunciou que de seu cargo combaterá o "alarmismo climático".

- Sérgio Moro (Justiça e Segurança Pública).

Juiz responsável pela operação Lava Jato na primeira instância, o que lhe deu uma imagem de "paladino da justiça". Condenou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva à prisão.

- General Fernando Azevedo e Silva (Defesa).

Passou à reserva neste mesmo ano. Foi chefe do Estado-Maior do Exército e comandante da Brigada Paraquedista. Ocupará um cargo-chave em um governo cívico-militar.

- Paulo Guedes (Economia).

Economista alinhado ao ideário neoliberal de Milton Friedman e formado na Escola de Chicago. Seu ministério englobará funções até agora divididas entre as pastas de Planejamento e Indústria e Comércio. Propõe um plano baseado em privatizações, descentralização e mais ajustes fiscais.

- Roberto Campos Neto (Banco Central).

Economista. Também estudou na Escola de Chicago e até novembro deste ano ocupava um posto na junta diretiva da filial brasileira do Banco Santander.

- Tereza Cristina da Costa Dias (Agricultura).

Deputada do DEM, presidia um grupo suprapartidário que defende os interesses dos ruralistas na Câmara.

- Tarcísio Gomes de Freitas (Infraestrutura).

Engenheiro civil graduado no Instituto Militar de Engenharia. Sua pasta fundirá os atuais ministérios de Transportes, Portos e Aeroportos e Aviação Civil.

- Almirante Bento Costa Lima Leite de Albuquerque (Minas e Energia).

Foi diretor de Desenvolvimento Nuclear e Tecnológico da Marinha, observador do Brasil nas Forças de Paz da ONU em Sarajevo e dirigiu a Secretaria da Junta Interamericana de Defesa, entre outros cargos.

- Marcos Pontes (Ciência e Tecnologia).

Tenente-coronel da Força Aérea, funcionário da Agência Espacial Brasileira e único brasileiro que viajou ao espaço. Em 2006 integrou uma missão da Nasa à Estação Espacial Internacional, a bordo de uma Soyuz TMA-8.

- Gustavo Canuto (Desenvolvimento Regional).

Funcionário de carreira da administração pública, especializado em Gestão Governamental. O Ministério de Desenvolvimento Regional assumirá as responsabilidades que até agora se dividiam entre as pastas de Integração e Cidades.

- Ricardo Salles (Meio Ambiente).

Advogado vinculado ao grupo Endireita Brasil, uma organização civil que promove valores ultraconservadores. Foi secretário de Meio Ambiente no governo de São Paulo.

- Luiz Mandetta (Saúde).

Ortopedista e pediatra. Deputado do partido DEM desde 2011, foi médico do Hospital Geral do Exército, com graduação de tenente.

- Marcelo Álvaro Antônio (Turismo).

Deputado do PSL, sem grande trajetória na política, na qual começou em 2012 como vereador da cidade de Belo Horizonte.

- Ricardo Vélez Rodríguez (Educação).

O "estrangeiro" do governo nasceu na Colômbia e se fixou no Brasil em 1979. É filósofo e professor emérito da Escola de Estado-Maior do Exército.

- Osmar Terra (Cidadania e Ação Social).

Deputado do MDB e ex-ministro de Michel Temer. Sua pasta englobará as funções agora divididas entre três ministérios que deixam de existir: Desenvolvimento Social, Esporte e Cultura.

- Damares Alves (Mulher, Família e Direitos Humanos).

Pastora de tendência conservadora. Até agora era assessora de uma frente parlamentar evangélica.

- André Luiz de Almeida Mendonça (Advogado Geral da União).

Advogado, quadro técnico da administração pública. Era consultor jurídico da Controladoria-Geral da União no governo de Michel Temer.

- Wagner de Campos Rosário (Transparência e Controladoria-Geral da União).

Advogado com estudos de pós-graduação em combate à corrupção e Estado de Direito, que também chegou a ser capitão do exército. Segue no cargo que ocupa no governo Temer. Agência EFE

Proxima
Anterior
Click here for Comments

0 comentários:

Comentários