G7 Cultura: Escritor salgueirense Raimundo Carrero ganhará tetralogia definitiva - G7 Salgueiro

Post Top Ad

Responsive Ads Here

G7 Cultura: Escritor salgueirense Raimundo Carrero ganhará tetralogia definitiva

Share This

Considerado um dos maiores escritores pernambucanos, o salgueirense Raimundo Carrero ganhará um reconhecimento à altura de sua importância para a literatura do Estado. Em comemoração aos 70 anos de Carrero, a Cepe Editora lançará uma edição definitiva da tetralogia do escritor, “Condenados à vida”, no próximo dia 21 de julho, durante o Festival de Inverno de Garanhuns (FIG), no qual ele será homenageado.

Em seguida, no dia 27 de julho, ocorrerá o lançamento da obra na Feira Literária Internacional de Paraty (Flip), no Litoral do Rio de Janeiro.

Os mesmos personagens circulam de maneiras diferentes por quatro romances de Carrero. O já esgotado “Maçã Agreste” (1989), “O amor não tem bons sentimentos” (2007), “Somos pedras que se consomem” (1995) e “Tangolomango” (2013).

Foi a partir de Maçã Agreste que Carrero começou a narrar as histórias da família Cavalcanti do Rêgo – Dolores, Ernesto, Leonardo, Raquel, Guilhermina, Jeremias, Matheus, Ísis e Biba. Parentes que se relacionam e se destroem sexualmente, tendo a cronologia da decadência da elite nordestina da cana de açúcar diante da industrialização como pano de fundo. E que, ao praticarem relações incestuosas, mostram o desejo de não se misturarem com classes ‘inferiores’. “Na nossa família não precisamos nem de outros beijos, nem de outros abraços“, diz um trecho do livro. O declínio moral e econômico combina com a decrepitude visual do Centro e dos subúrbios do Recife, cidade-cenário da narrativa.

“A crítica corrosiva ao falso moralismo, à instituição familiar, à religião e à sociedade vai permeando as psicoses, taras e idiossincrasias dos personagens, que vão se revelando, cada um à sua maneira, em um ambiente de assassinato, estupro e luxúria“, resume Carrero.

Criação

O autor confessa que esses perfis foram criados com inspiração na realidade. A experiência de 40 anos como jornalista deu a Carrero o repertório para construir quadros aparentemente absurdos de família, mas que se encontram nos jornais diariamente. “Reuni recortes e transformei em episódios literários“, lembra.

Na obra, destaque para o prefácio inédito do também escritor, jornalista e crítico literário carioca José Castello, que anteriormente resenhou quase todos os livros dessa tetralogia, com exceção de Maçã Agreste, considerado por Carrero sua obra mais importante e, no entanto, menos conhecida. “A leitura desses quatro grandes romances de Carrero dilacera. Rasga a proteção íntima que costumamos usar para nos defender do mundo. A verdade é: eles nos atordoam. Enquanto relia os quatro livros, senti, muitas vezes, uma mistura desconfortável de espanto e horror“, descreve Castello em seu prefácio.

Premiado

Membro da Academia Pernambucana de Letras, Raimundo Carrero é um dos escritores mais premiados do País. Já ganhou o Prêmio Jabuti, mais importante prêmio literário do Brasil; dois troféus da Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA); e dois prêmios Machado de Assis da Biblioteca Nacional. Em Pernambuco é vencedor dos prêmios José Condé e Lucilo Varejão. Seus livros já foram traduzidos para o francês, português, espanhol, romeno e búlgaro. As informações são da assessoria da Cepe Editora. Via Carlos Britto

Post Bottom Ad

Responsive Ads Here

Pages